Conheça mais sobre a mastite
Conheça mais sobre a mastite

A amamentação é essencial para o bebê, pois fornece todos os nutrientes que ele precisa para seu desenvolvimento. Além disso, há uma série de outros benefícios, como a prevenção de uma série de doenças, assim como diminui as chances da criança ter alergias e cólicas. De acordo com a OMS – Organização Mundial de Saúde, é recomendado a amamentação exclusiva pelo menos até os seis meses de vida.

Já para a mulher, o aleitamento diminui o risco de câncer de mama, endométrio e de ovário, além da diabetes. Ainda é comprovado que atua na perda de peso e no combate à hemorragia pós-parto. Porém, nem sempre a prática acontece de forma natural e indolor para a mulher. Infelizmente, muitas acabam sentindo fortes incômodos, com os seios muito cheios ou o bico do peito rachado, que podem evoluir para a mastite.

Conheça mais sobre a mastite

Mas, você sabe o que é a “mastite”?

Ela é uma inflamação das glândulas mamárias, que afeta inúmeras mulheres que amamentam no mundo e é caracterizada por uma dor nos seios e em alguns casos vermelhidão, febre, calafrios e sensação de calor no local ao tocá-lo. A mastite é mais comum em mulheres que estão amamentado, ao entupir os canais por onde passa o leite, mas outras mulheres em qualquer fase da vida também podem passar por isso, podendo se tornar uma infecção bacteriana. Isso acontece quando o leite entra nos vasos sanguíneos dos seios.

Quando bolsas de pus se formam dentro da mãe é preciso ficar ainda mais atenta, pois o sintoma é grave. Nesse momento, costuma ser necessária uma cirurgia de drenagem, pois o pus acumulado pode levar a uma infecção e consequentemente à sepse.

Conheça mais sobre a mastite

Boa parte dos casos se desencadeiam poucas semanas após o parto. Um dos principais motivos da inflamação é “pega” errada da criança. Isso faz com que acabem se formando fissuras na mama, abrindo espaço para as bactérias se instalarem. Os pequenos que tomam mamadeira ou usam a chupeta são mais propícios a provocar a mastite. Outro exemplo é quando o bebê dormiu por longos períodos de tempo, espaçando as mamadas ou quando há um trauma no seio.

Tratamento da mastite:

Quando a mãe nota sintomas como esse, é importante procurar ajuda médica. A mastite não impede que a mãe amamente, pois seu tratamento já pode ser realizado com medicamentos que não prejudicam o bebê e não chegam até o leite. Pelo contrário, deixar de amamentar pode piorar a condição, pois a mulher precisa esvaziar o leite do peito.

Conheça mais sobre a mastite

Quando o tratamento é realizado logo quando a inflamação surge, bem no início, são recomendadas compressas frias locais. Em certos casos, analgésicos e até antibióticos podem ser indicados pelos médicos, mas isso varia de acordo com a gravidade da mastite.

Como evitar a inflamação?

Uma das formas mais eficazes de evitar a mastite é garantir que o bebê esteja fazendo a “pega” ou sucção correta e esvaziar o peito na hora de mamar. Evitar também usar sutiãs com ferrinhos. Limpar os seios com um pano com água antes e após a mamada também é uma forma de prevenção. Fazer a ordenha manual constante do leite, para que ele continue circule e para eliminar o excesso. A mulher pode doar ou congelar o leite!

Fique atenta aos sintomas e tome as medidas preventivas para evitar que a mastite apareça!

Foto: Reprodução/ Internet

Fonte: Best Of Web

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here