A experiência educacional, por meio de escolas e universidades, é uma herança – sempre atual – da Igreja Católica. Atualmente, devido a um processo intenso de secularização que a sociedade ocidental vive, talvez esse dado esteja esquecido por grande parte das pessoas.

Mas o fato é que, desde muito tempo, a educação foi assumida pela Igreja como uma missão. Jesus enviou seus apóstolos não apenas para fazer discípulos e batizar, mas também ensinar tudo o que nos tinha ensinado (Mt. 28, 20). Ensinar é também um mandamento do Senhor! 

Historicamente, diversas congregações religiosas assumiram esse chamado como missão, e muitos são os santos que têm belíssimos registros de uma experiência de levar, por meio do ensino, as pessoas à experiência com o Senhor.

Os colégios católicos confessionais devem abrir suas portas a pessoas não católicas ou sem religião?

O Papa Francisco, na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium responde com exatidão: “As escolas católicas, que sempre procuram conjugar a tarefa educacional com o anúncio explícito do Evangelho, constituem uma contribuição muito válida para a evangelização da cultura” (EG, 134).

Os colégios católicos devem acolher todos, mas jamais devem renunciar a sua missão evangelizadora. Por isso, quando uma família coloca seu filho num colégio católico, deve estar de acordo com que ele seja educado nessa fé, e tanto o aluno como a família devem apoiar a missão da instituição.

Uma educação coerente com os valores cristãos

Acontece de colégios católicos assim se declararem, mas não assumirem a fidelidade aos ensinamentos de Cristo no ordinário de suas atividades, nos valores que permeiam sua experiência pedagógica.

Exemplos desses acabam por gerar inúmeros prejuízos para o que se entende como natureza e finalidade da educação, que é levar as pessoas – de modo consciente ou não – ao conhecimento de Deus. 

Santa Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein), filósofa, judia, passou um tempo da vida submersa nas trevas do ateísmo, teve sua experiência com a pessoa de Cristo por meio do estudo e da contemplação da verdade expressos nos ensinamentos de Santa Teresa de Jesus.

Depois de batizada na Igreja Católica, passou anos dedicando-se aos estudos e publicando artigos científicos, além de dedicar sua vida – primariamente – à oração intensa. 

Ela dá uma clara explicação sobre o processo que move o coração de todo aquele que busca conhecimento e iluminação por meio dos estudos: “Quem procura a verdade, consciente ou inconscientemente, procura por Deus”.

Um colégio que acolhe todos

A fim de corresponder ao Evangelho e de seguir os passos de Jesus, o colégio católico deve, sim, estar aberto a todos.

Sobretudo se for um colégio seguro e coerente com o que a Igreja ensina, lançando todas as suas ações na perspectiva do relacionamento com os bens do céu e a salvação de Cristo.

Gostou do conteúdo? Compartilhe com alguém que precisa saber disso.

Leia também: Colégio Católico: como ele auxilia na educação dos filhos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui