“Na minha época bullying era normal. Esta geração é muito sensível!”. 

Quando falamos em bullying, é comum ouvirmos isso. Como se fosse uma invenção da nova geração.

Algumas pessoas ainda acreditam que situações que envolvam conflito sejam normais no ambiente escolar, ou que façam parte desse contexto. Mas não é bem assim. 

Embora boa parte das pessoas saiba que situações de bullying acontecem mais do que se deseja e espera, é preciso estar preparado para agir, enfrentar e prevenir essa prática.

No Colégio Everest, o tema bullying é tratado com muita seriedade e há uma busca constante para identificar e agir diante de possíveis eventos dessa natureza. 

Nossos alunos aprendem constantemente que brincadeira é quando todos os envolvidos se divertem. Se há alguém prejudicado, constrangido ou ameaçado, entramos em outro contexto.

Como acontece a abordagem?

A equipe docente do Colégio Everest sempre faz um acompanhamento dos alunos por meio dos “diálogos”, momentos em que eles são chamados para conversar com o responsável da disciplina na escola – chamamos de prefeito de disciplina. 

Esses profissionais – que costumam ser formados em áreas técnicas que os capacitem para agir em situações assim – trabalham os aspectos humanos a serem melhorados em cada aluno, visando ao crescimento individual e coletivo, sempre na perspectiva do bem comum. 

Há o acompanhamento também dos Instrutores de Formação, da Coordenação e do Departamento de Psicopedagogia, sempre com um olhar complementar e atento às questões individuais ou de grupo. 

Formação para o amor

O Everest, além do ensino internacional e bilíngue, também oferece uma educação católica e possui um programa chamado Formação para o Amor. 

A proposta, que gera bons resultados ao longo do tempo, trabalha o desenvolvimento das áreas do ser humano: inteligência, espiritualidade, dimensão física, social e emocional. 

O programa está dividido de acordo com os níveis de maturidade das idades. Sendo assim, às vezes o tema pode até se repetir, mas traz profundidade e abordagem diferente.

Dentro desse programa, é apresentado aos alunos, periodicamente, encontros que proporcionam a vivência dos diferentes temas, inclusive o bullying. Eles compreendem a gravidade e tudo o que implica essa atitude. 

O Colégio Everest adota três atitudes para prevenção ao bullying:

1. Acompanhamento individualizado

O diálogo – que envolve precisamente o ato de escuta – é uma ferramenta poderosa para prevenir e remediar casos de bullying escolar e nós optamos sempre por esse caminho. 

A atenção personalizada não acontece apenas no momento em que se senta com o estudante para uma conversa, mas nas situações cotidianas da vida escolar: lazer, ensino formal, refeições, práticas esportivas etc. 

Em todos esses momentos, há professores e profissionais circulando e convivendo com os alunos.

2. Programa de virtudes

Uma atitude extremamente eficaz no caminho de superação do bullying é a vivência das virtudes humanas. 

Por meio de campanhas específicas, o Colégio Everest promove uma verdadeira “cultura de virtudes”, buscando a transformação dos ambientes para o bem, para a beleza e para a verdade nas relações. Esse itinerário faz parte do Programa de Virtudes

No caso de crianças menores, embora não haja trabalhos orientados por livros, as crianças são ensinadas na simplicidade do cotidiano: compartilhar, emprestar brinquedos, conhecer os sentimentos, agradecer e dizer “por favor”.  

Desde o Ensino Fundamental II até o Ensino Médio, as virtudes são vivenciadas com trabalhos sociais desenvolvidos pelos alunos nas instituições da comunidade mediante a prática de participação social.

 Os alunos do Colégio Everest precisam completar horas de serviço social visitando orfanatos, creches municipais, desenvolvendo brincadeiras, lanches coletivos, campanhas de ajuda e apresentação.

3. Família e escola caminham juntos

Se há algo de ruim acontecendo, mesmo que não seja diretamente no ambiente escolar, os responsáveis entram em contato com a família dos envolvidos. 

O Colégio Everest acredita muito na importância e no valor do vínculo familiar durante esse processo de prevenção e superação do bullying. É preciso que haja uma relação de confiança entre a escola e a família para que, juntas, encontrem a solução e cuidem da situação. 

Essa parceria é fundamental para o pleno desenvolvimento dos nossos alunos e para sua formação efetivamente integral.

Gostou do conteúdo? Compartilhe com alguém que precisa saber disso.Leia também: 10 coisas que toda criança deveria aprender na escola

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui